PC Playstation Review Xbox

The Disney Afternoon Collection é pura nostalgia Seis clássicos para fazer uma geração de marmanjos se sentir criança novamente

Se você foi criança no fim dos anos 80 e início dos 90, a chance de ter assistido desenhos como Ducktales (que passava no SBT), Darkwing Duck, Tico & Teco e Os Defensores da Lei ou Esquadrilha Parafuso (que passavam na Globo) é enorme. Esses desenhos alegraram as manhãs de muita gente, e não ficando de fora disso, a Capcom na época produziu diversos jogos para o Nintendinho 8bits. The Disney Afternoon Collection é uma grande, saudosa e inesperada coletânea desses jogos. No total são seis títulos, sendo eles Ducktales 1 e 2, Chip & Dale: Rescue Rangers 1 e 2, Darkwing Duck e Tale Spin. Como jogador da velha guarda, tenho Ducktales no meu coração e joguei também Tico & Teco, porém confesso que essa coletânea foi o meu primeiro contato com os demais títulos que só conhecia de revistas ou vendo outros jogarem na época. Tomarei a liberdade nostálgica de utilizar os nomes das versões brasileiras das respectivas animações.

Ducktales: De todos os jogos Disney lançados em várias plataformas e gerações, Ducktales provavelmente é o que mais joguei. Um game de plataforma com o Tio Patinhas onde sua arma é a bengala, utilizada como uma espécie de mola, pulando na cabeça dos inimigos. É com ela também que o jogador quebra baús e acerta pedras, latões e barris como se fossem bolas de golfe, atingindo assim objetos específicos no cenário, ou movendo-os para pontos em que é possível usá-los como plataforma e alcançar lugares mais altos e passagens secretas. Aliás, passagens secretas são uma peculiaridade do jogo, é bom desconfiar de todas as paredes, pois tem sempre a possibilidade de encontrar uma que dê para passar por dentro ou por cima delas. A falta de linearidade no jogo é uma das melhores características nele. Além de você poder escolher qual cenário quer ir, as fases tem caminhos para direita ou esquerda, cima e baixo, algumas delas com mais de um caminho para chegar em um local específico, ou necessitando que abra um caminho mais a frente para uma entrada próxima ao início da fase.

Em 2013, a Wayforward fez um remaster de qualidade do game, renovando o visual e trilha sonora, mas mantendo sua jogabilidade como a original. Por esse motivo, esse talvez seja um dos jogos com menos impacto na coletânea.

Ducktales 2: Embora menos popular que seu predecessor, Ducktales 2 não perde em nada em jogabilidade ou qualidade. Cinco novos cenários com mais tesouros e muita aventura para o Tio Patinhas, novas features bacanas expandem um pouco mais a jogabilidade já conhecida da franquia. É possível agora montar botes e atravessar trechos de água enquanto desvia de espinhos pelo caminho, além de power-ups que te permitem quebrar pedras que bloquearem um caminho na fase. Com isso, há trechos em que você encontra o Capitão Boeing para sair da fase e explorar outra que não conseguia sem um power-up. Se Ducktales 2 não tivesse saído na época em que o Super Nintendo já fosse o videogame da geração, certamente teria atingido maior popularidade, a Capcom nesse período já dominava a tecnologia do console e esses games de fim da geração NES tem alguns dos sprites mais bonitos dela.

Tico & Teco e Os Defensores da Lei (Chip & Dale: Rescue Rangers): Seguindo a premissa do desenho animado, Tico e Teco tem uma equipe de amigos que os ajudam em missões de salvamento. São eles Geninha, Monterey Jack e Zippy. Podendo escolher entre os dois protagonistas (infelizmente os seus amigos só ajudam em alguns trechos), o jogador atravessará fases esquivando de ratos, cachorros mecânicos e outros inimigos que aparecem pelo caminho, utilizando de caixas ou maçãs ao longo do cenário como armas para jogar neles ou se esconder.

T&T tinha cenários muito legais. Assim como em Monsters in my pocket ou Tom & Jerry, uma das características principais deles eram que objetos pequenos e comuns do nosso dia a dia se tornavam enormes obstáculos no game. Subir postes ou cercas é uma tarefa um pouco diferente quando se tem menos de 20 centímetros de altura.

Tico & Teco e Os Defensores da Lei 2: Este é provavelmente o mais desconhecido dos jogos da coletânea, lançado em 1994 quando já estávamos para ouvir as primeiras notícias sobre o Playstation e a geração que viria a seguir, um jogo de NES já não tinha mais o mesmo apelo. Mas o que o game perdia em popularidade, ganhava em qualidade visual. Da mesma forma que ocorreu com Ducktales 2, T&T 2 tem alguns dos melhores gráficos da geração.

Após fugir da prisão, Gatão, um dos inimigos mais conhecidos da série, organiza uma série de crimes, e são esses crimes que se tornam as fases do jogo e que você precisa resolver. O game segue a mesma jogabilidade do anterior, mas agora é possível escolher entre Tico ou Teco em cada fase ao invés de no início do jogo, infelizmente Geninha, Monterey Jack ou Zipper continuam apenas a auxiliar ao longo das fases.

Esquadrilha Parafuso (Tale Spin): Se trata de um shmup (Shoot’ em up, ou “jogo de navinha”) bem peculiar. Sua jogabilidade não é tão frenética quanto jogos do gênero, mas nem por isso é fácil. O avião de Balú (o protagonista do desenho) não tem tiros rápidos e contínuos e sua movimentação não é muito rápida, porém é possível voar para os dois lados da fase, além de poder encostar no chão e plataformas sem explodir, como é tão comum em shmups.

Darkwing Duck: Esse foi o jogo da coletânea que mais gostei de “conhecer”. Nunca fui muito fã do desenho animado na época, mas já tinha visto amigos jogando e fotos em revista, porém nada se compara a experiência própria. Trata-se de um jogo de plataforma com muito boas influências de Mega Man. É possível se defender de tiros segurando pra cima, atirar balas comuns ou variedades da arma de gás (a arma especial de Darkwign Duck), além de se pendurar em plataformas, ganchos e outros objetos pelos cenários. O jogo também te permite escolher que fase explorar, mas diferentemente de Mega Man, não espere ganhar uma arma após derrotar o chefe, essas você ganha ao longo das fases mesmo, e não tem impacto especial sobre os chefes.

Acertando as pontas

Para a geração que cresceu com esses jogos, além de matar a saudade, The Disney Afternoon Collection apresenta novos modos de jogo como Time Attack ou Boss Rush, que acrescentam bons desafios a quem já está careca de zerar os originais. Como uma pequena cereja do bolo, há uma sessão de galeria que revela curiosidades da produção dos jogos e o diálogo entre Capcom e Disney na produção de cenários e personagens.

Os seis jogos apresentados em The Disney Afternoon Collection trazem algumas das melhores jogabilidades da geração 8bits, alguns deles tendo sido obscurecidos pela época em que foram lançados, mas embora o apelo maior seja para a geração de crianças dos anos 80 e 90, essa é uma ótima oportunidade de apresentar jogos simples de gráficos mas difíceis de desafio para filhos e sobrinhos.

Eward Bonasser Jr. é publicitário de formação e designer de profissão. Além dos games, tem fascínio por cinema e música e é um fanboy inveterado da Marvel e de Star Wars. Joga videogames desde quando Michael Jackson disputava o título de rei do Pop com o Prince.

Bacana

Os jogos de The Disney Afternoon Collection só devem ser novidade para os mais novos, mas nem por isso perderam a graça. Uma ótima oportunidade de matar saudade, enfrentar novos desafios com os modos de Time Attack ou Boss Rush, ou de apresentá-los para as novas gerações.

9