Artigos E3 2017 Sem categoria

Como foi a E3 2017 para o Doze Bits em Los Angeles Capítulo 3 e o dia mais feliz da E3 2017!

Chegamos ao dia 12 de junho… Dia dos Namorados no Brasil… minha esposa aqui e eu em Los Angeles. Droga, que difícil! A saudade já estava batendo forte. Acordei cedo e fui tomar café, liguei para o Brasil e enquanto comia o mesmo dos outros dias, resolvi falar com a Carolina (minha esposa)… conversamos um pouco, falei das emoções do dia anterior, do quanto de saudades estava sentindo… conversamos por uns 10 minutos. Foi bom. Pena não ter conseguido falar com o Joaquim nesse dia…

Pedro já tomava o café também e já estávamos prontos para ir para o PC Gaming Show. Na Broadway. SÉRIO! NA BROADWAY! Não… não estamos em Nova York, que pena! Era uma Broadway sem nenhum glamour! Muita coisa em obras na avenida e é em uma parte bastante central de Los Angeles. O local parece velho e decadente. O evento estava marcado para as 10 da manhã com abertura das portas as 9:00 e um evento da Intel as 9:30. Chegamos as 8:30 e já tinha uma pequena fila na porta. Entramos na fila e a Mayara ligou pra saber se a gente já estava por lá… ela estava atrasada, mas tinha credencial de imprensa, nós não. Então entramos e… tinha café da manhã de graça. Café, água, suco, iogurte e umas outras coisinhas. Comida grátis é sempre bem vinda. Comemos e entramos para o teatro.

Entrada do Ace Theatre… PC Gaming Show está para começar.

O teatro do Ace Hotel é bem antigo, com uma decoração foda e espaço para umas 800 pessoas. Ao contrário do que vimos no dia anterior na Microsoft, que fez um evento para umas 5 mil pessoas, o PC Gaming show é um evento pequeno. Ganhei uma camiseta escrito “Nerd to the Core” da Intel, todo mundo que estava lá ganhou, e vimos a apresentação ao mundo dos novos processadores da marca, os I7 X-Series e os inéditos I9 X-Series, que prometem ainda mais qualidade para os jogos no futuro. Uma apresentação sobre Oculus Rift também foi feita e falaram bastante sobre o apoio da Intel para que os jogos em VR virem eSports também. Abaixo coloco um vídeo do VRFocus que mostra um pouco do que a Intel apresentou e eu apareço aos 6 segundos, na fila.

https://www.youtube.com/watch?v=30–W2Ab8c0

Nerd to the Core… camisetas para todos e começam os freebies da E3.

Logo após a apresentação da Intel veio o PC Gaming show, muitos jogos, pouca coisa realmente interessante. Eu estava ansioso pela apresentação da Ubisoft que seria ali pertinho, também na Broadway… e Cliff Blezinsky no palco! OMG! O criador de Gears of War, minha franquia preferida no Xbox 360, estava ali pertinho, falando do seu novo projeto, Lawbreakers. Multiplayer frenético. Esse cara sabe o que faz. Sério, Cliff B, opinião própria, é um dos caras a ser respeitado na indústria por conta do que já fez. O cara é um gênio.

A foto é ruim, mas o cara direita é o Cliff Blezinsky.

Mais alguns jogos, já são 11:20, e o convite da Ubisoft diz que a abertura do teatro é as 11:30. Ficamos num impasse entre levantar e sair, como muitos já estavam fazendo, e ficar até o final. Levantamos e saímos. Perdemos a apresentação do novo Age of Empires. Por uma boa causa, penso eu.

Em 3 minutos estou na porta do local onde será a conferência da Ubisoft, outro teatro… existem muitos deles na Broadway de Los Angeles também. Pedro e Mayara não tem credencial. Vou direto e acho o PR da Ubisoft, Victor me atende super bem e eu digo a ele que dois amigos brasileiros estão lá fora tentando entrar, ele conhece o Pedro. Digo que se eles entrarem é para avisar que estou lá no backlot almoçando de graça. Sim… a Ubisoft pegou um estacionamento gigante atrás do teatro e colocou uns 8 food trucks para saciar a fome voraz dos convidados. Como um hambúrguer gigante com fritas e Coca-Cola, um pedaço de pizza pepperoni e um sorvete muito bom de morango. Ligo para o Pedro e ele conseguiu entrar, a Mayara não. Pedro já está sentado no teatro ao lado de Théo Azevedo, do UOL Jogos, o youtuber Rato Borrachudo e mais alguém que não me lembro bem… penso que deveria estar lá, mas a barriga cheia me agradeceria mais tarde, assim como a carteira.

Estacionamento atrás do teatro onde aconteceu a Conferência da Ubisoft… comida grátis é sempre bem vinda!

Entro no teatro e me sento à direita em relação ao palco, estou a umas 10 ou 12 cadeiras do palco. Pedro está no meio, mas está mais ao fundo, penso que foi bom ter ido comer, meu lugar é tão bom quanto o deles. Começa o pre-show e a Ubi mostra um amadurecimento surreal já nos vídeos que antecedem a conferência… faz piada com o novo logo (usando as comparações que a internet fez com um montinho de cocô) e a platéia delira! Muitas piadas até que tudo fica escuro… o início do show é anunciado e começa a que seria, minha opinião, a melhor conferência da E3 2017.

A tela gira, o logo da Ubisoft aparece e não tem como não pensar em cocô… tudo fica branco e um Rabbid aparece na tela com uma interrogação já conhecida sobre sua cabeça. Mario + Rabbids Kingdom Battle abre a conferência com humor e Rabbids batendo a cabeça na interrogação para conseguir moedas. Um cogumelo cai, um dos Rabbids fica gigante e ocupa toda a tela… Yves Guillemot sobe ao palco e começa a falar sobre o jogo até que anuncia um convidado especial, pelo qual ele se sente muito honrado de ter presente… E… FUUUUUUUCCCCCKKKKK!!! SHIGUERU MIYAMOTO ENTRA NA CONFERÊNCIA DA UBISOFT! INACREDITÁVEL! O cara passou a, sei lá, uns 3 metros de onde eu estava… eu estava estático. Quando consigo me levantar e bater as primeiras fotos ele já está no palco brincando com Guillemot com réplicas das armas do jogo. Miyamoto faz uma piadinha com Ghost Recon, a platéia pira! Choro de novo! O criador do meu jogo favorito de todos os tempos (Super Mario Bros. 3 é a obra definitiva dos videogames para mim) está na minha frente! Meu sonho cada vez mais realizado. A câmera foca um homem chorando na platéia, é o criador do jogo… Miyamoto fala para todos o que disse ao homem que chora: faça um jogo do Mario que nunca foi feito antes… e ele está totalmente satisfeito. Depois fiquei sabendo que rolou uma hashtag com o cara chorando… #DontCryUbisoftMan, genial.

A foto não é minha… mas a distância do palco era exatamente essa.
#DONTCRYUBISOFTMAN

O que vem na sequência é só um bônus do que já passou… Assassins Creed: Origins e sua nova pegada no Egito Antigo, The Crew 2 parecendo tudo aquilo que o primeiro deveria ter sido, South Park: A fenda que abunda força! com data de lançamento para o dia 17 de outubro, Elijah Wood falando de VR na Ubisoft em um projeto estranhamente estranho chamado Transference, aí, Yves Guillemot volta ao palco para anunciar uma nova IP e todo mundo fica de queixo caído com o Sea of Thieves de “gente grande”… Skull & Bones é lindíssimo! Mas não era só isso… ainda tinha Just Dance 2018 com uma apresentação “ao vivo” de Bebe Rexha. Steep (alguém joga isso?) foi ao palco e apresentou um DLC (sério?), um jogo de nave com miniaturas físicas para encaixar no controle chamou bastante a atenção e arrancou uma série de gritos da platéia, Starlink: Battle for Atlas será lançado em 2018. O já esperado Farcry 5 dá as caras na conferência e parece mais bonito do que nunca. E o final se aproximava, mas a Ubisoft ainda tinha um ás na manga… um grande anúncio se aproximava.

A espera acabou! Beyond Good & Evil 2 está chegando!

Tudo fica escuro, um cenário futurista é mostrado, carros voando… a cena muda, um macaco com roupas de humano conversando com um porco com um bigode gigante e essa é a deixa para os presentes irem ao delírio mais uma vez. Uma animação de tirar o fôlego é mostrada… a platéia está emocionada, muitos já estão chorando, ninguém esperava ver Beyond Good & Evil 2… Michel Ancel sobe ao palco e mal consegue falar, ele também está emocionado… são 15 anos de espera. Yves Guillemot se junta a ele no palco e convida todos os funcionários da Ubisoft presentes a fazerem o mesmo… é o fim da melhor conferência da E3 2017. Possivelmente a melhor conferência da E3 em alguns anos… a Ubisoft matou a pau!

Um dos momentos fantásticos da E3. Michel Ancel no palco apresentando Beyond Good & Evil 2

Na saída não temos mais comida grátis, mas temos algumas surpresinhas em sacolas da Ubisoft. Pego uma e como uma criança com um brinquedo novo abro para ver o conteúdo: uma caixinha e um pacotinho. Abro os dois rapidamente e vejo um Powerbank com o logo da Ubisoft e uma miniatura EXCLUSIVA de um Rabbid vestido de Mario. SENSACIONAL! Tanto que vejo pessoas saindo com 4, 5 sacolas nas mãos. Sou mais discreto. Guardo meus itens na mochila e volto pra pegar mais uma sacolinha… só duas delas já me são o suficiente.

Mini do Rabbid vestido de Mario… embaixo, na caixinha preta escrito E3 First-Aid Kit, tem um Power Bank. Brindes da Ubisoft… Oreo meramente ilustrativo.

Saio de lá meio sem rumo… foi muito melhor que o esperado! Foi muito melhor que a Microsoft… foi simplesmente sensacional! Encontro o Pedro ainda na porta, ele tem uma sacolinha nas mãos, mas também pegou duas! Encontramos também o pessoal do Última Ficha, Leonardo Coimbra e Bernardo Cortez, e lembrei de ter visto uma postagem deles dizendo que haviam conseguido comprar o Switch. Perguntei sobre a quest e eles me falaram que havia um tracker de produtos que mostrava o estoque de Switch em algumas lojas. Foi aí que conheci o IStockNow. Conversamos um pouco e marcamos de nos encontrar na conferência da Sony. Eu e o Pedro falamos sobre o que acabamos de ver e percebo que ele também está atônito… falamos sobre os melhores momentos no carro, enquanto nos dirigimos para o Shrine Auditorium, local da conferência da Sony.

Shrine Auditorium… fica a 200 metros do Galen Center, local da conferência da Microsoft.

Chegamos ao Shrine e como eu tenho convite, deixo o Pedro na porta e vou tentar, com a ajuda do IStockNow, cumprir a minha quest do Nintendo Switch. A loja mais próxima com o console, segundo o tracker, fica a cerca de 6 milhas dali… isso dá uns 10km, e só tem um console em estoque. Bom… é o que tem pra hoje. Corro até o WalMart indicado e… BANG! Vejo uma pessoa passando com o console nas mãos no exato momento em que chego para perguntar a um atendente… e a realidade dói: o console acabara de ser comprado. Frustração! Olho no relógio e são 16:00 já, a conferência da Sony começa em duas horas, é o que me resta para hoje… e sim, isso parece me animar bastante!

De volta ao Shrine, ligo para o Pedro e ele me fala que está na fila dos desesperados com a Mayara, o Luiz Aguena e… Nelson Alves Jr.!!! Sim, o cara do Inside Xbox está na fila querendo ver também a conferência da maior concorrente, aliás… por que não? Penso que é bem legal a ideia, mesmo! Acabo não encontrando com eles e entro.

Ao passar pela porta o clima muda… está um calor infernal do lado de fora e lá dentro o ar condicionado é ótimo. Passo por um portal com os quatro conhecidos botões dos controles da Sony, e entro em um mundo repleto de pessoas, comida e… videogames!

Ao contrário da Microsoft, onde passei por apuros para entrar, e da Ubisoft, onde não haviam consoles para testar os jogos, o pré-show da Sony contava com muitos consoles para que os presentes pudessem testar os jogos da empresa antes da conferência. Encontro com algumas pessoas que já conheço como Théo Azevedo, os caras do Última Ficha, um cara do Santa Mônica Studios que insisto em esquecer o nome, mas que me reconheceu da BGS, e outros jornalistas brasileiros. Todo mundo comendo e bebendo à vontade. Pego uma Bud Light e resolvo dar uma volta pelo local. Aquela é a minha primeira cerveja na viagem… e ela cai muito bem no momento.

São muitos consoles rodando um pouco de tudo… Ni no Kuni 2, Ace Combat 7, Ys VIII, Detroit, Knack 2, Everybodys Golf, Matterfall, Dissidia Final Fantasy NT, Farcry 5, Patapon, Rom Extraction (PSVR), Tiny Trax (PSVR), Archangel (PSVR), Farpoint (PSVR), Legion Commander (PSVR) e No Heroes Allowed (PSVR). Aproveito para comer um pouco, não é todo dia que você não paga por nenhuma refeição o dia todo, então como alguns mini hot dogs, alguns empanados de camarão (muito bons por sinal), tomo outra cerveja, e mais outra… três é a minha cota por hoje… percebo que os americanos não sabem o que é coxinha, quibe e empadinha. Dou risada sozinho. As pessoas que formavam fila em frente à entrada do salão principal começam a entrar, corro até o banheiro e entro no auditório onde vai ser a conferência.

Chegando na sala procuro um lugar bem no meio, na frente… e vejo um japonês sentado sozinho. Praticamente todos os lugares estão ocupados naquela fileira, mas existe um lugar vago à esquerda dele e outro a sua direita. Pergunto se os lugares estão ocupados, ele diz que não. Pergunto se ele se importa se eu sentar ali, ele novamente diz que não. Ao me sentar, ele olha pra mim e diz: – Você é brasileiro, não é? – digo que sim, nós dois rimos! Agora é a minha vez de perguntar: – E você é o Yoshinori Ono, não é? – Ele diz que sim… e gargalhamos! Eu de felicidade, ele pela piada! Esse é mais um grande momento da minha E3 2017. Eu assisti a conferência da Sony ao lado de Yoshinori Ono, uma das mentes brilhantes por trás de jogos como Street Fighter III, IV e V, Breath of Fire IV, Dino Crisis II, Resident Evil Outbreak, Dead Rising, Monster Hunter Frontier e Marvel vs Capcom Infinite.

Yoshinori Ono e dois brasileiros: O Blanka e eu!

Já estamos conversando a algum tempo e pergunto várias coisas, claro que me identifiquei como jornalista e como fã, ele disse que não se importava… que adorava conversar com brasileiros e com os fãs aqui do Brasil, peço para tirar uma foto e ele abre a bolsa que carrega para pegar uma pequena estatueta de Blanka, o infame brasileiro da série Street Fighter. Ao que tudo indica, Ono só tira fotos com o boneco em mãos (no seu perfil no Facebook é possível ver isso). A foto não sai muito boa, tiro outra… e não me importo com o resultado. Aproveitar o momento é tudo o que quero fazer. Pergunto o que ele sabe sobre a conferência e ele me diz: “Eu já sei tudo o que vai passar”. Peço mais detalhes e ele me diz que não pode falar, mas que eu vou me surpreender com algumas coisas. Ele sorri e eu também.

A sala fica escura… gritos ecoam por todo a plateia e uma cítara é ouvida… a luz se acende e uma banda egípcia é vista no palco. Atrás da banda, uma queda de água com efeitos de luz faz todo o ambiente ser ainda mais incrível. Eu estou absurdamente apreensivo, penso em Assassins Creed: Origins, mas sou surpreendido com Uncharted: The Lost Legacy, o spin off da série que deve chegar ainda esse ano. Sem perder o ritmo, mudamos do calor de Uncharted para o frio, muita neve na tela até que… sim, a ruiva mais linda dos últimos jogos aparece… The Frozen Wilds é o nome do DLC de Horizon Zero Dawn, lançamento para este ano! A galera pira…

Inexplicavelmente ninguém subiu ao palco ainda… a tela se acende de novo e podemos ver um novo trailer de Days Gone, a já hypada nova série de zumbis do Bend Studios. Uma cena de ação sensacional, um pouco de stealth, mais ação… até um urso zumbi é apresentado. Quem assistiu ao vivo pode ver alguns zumbis pendurados de ponta cabeça pelo teatro, efeito sensacional!

Finalmente  o Presidente e CEO da SCEA, Shawn Layden, aparece no palco. Ele fala sobre o quão bom o line up do Playstation é, sobre jogos, sobre o quão bom é ser um game agora… e apresenta o próximo jogo como um jogo que ele adora e que tem um espaço enorme no seu coração. Ao meu lado, Ono dá risada… uma floresta aparece na tela e um personagem carregando uma espada enorme sai do meio dela… dinossauros por todos os lados, um momento de stealth cômico, uma batalha contra um tiranossauro é interrompida por um dragão e… É MONSTER HUNTER WORLD sendo apresentado. Isso explica a risada de Ono e eu sou pego de surpresa pelo japonês me dizendo “You didn’t see that coming!”. Realmente… foi inesperado. Mas não é uma franquia pela qual tenho muito apreço, mas é um nome forte.

Shawn Layden… tava muito perto, tava perto, tava meio perto, tava meio longe, tava longe… agora parece longe demais!

O logo do Japan Studio aparece… cavalos correm… um personagem conhecido… uma ponte conhecida… FUUUUUCKKKKK… É UM COLOSSUS! Ono ri enquanto eu, boquiaberto, olho fixamente para a tela. Shadow of the Colossus é aplaudido timidamente pelos presentes. Eu estou atônito. Pego, novamente de calças curtas (embora o meu amigo de Overwatch, Rogério Lamounier, já tivesse dito que o jogo poderia ser apresentado), e preso pelas lembranças do excelente jogo de PS2. Quero muito jogar esse jogo logo… e a data aparece. 2018.

Marvel vs Capcom Infinite toma a tela e Ono começa a bater muitas fotos e sorrir. Seu trabalho está na conferência da Sony, em primeira mão. Imagino, nesse momento, a realização de um cara como o Ono: ele veio para a E3 para ver seu jogo ser anunciado na conferência da Sony e para atender aos parceiros e a imprensa no estande da Capcom. Se eu estou ali realizando um sonho, acredito que ele também. Seus olhos brilham… ao final do trailer apenas olho pra ele e digo: “Obrigado por mais um jogo”. Ele sorri em retribuição e, ao mesmo tempo, em agradecimento pelo elogio: “Muito obrigado por ser um fã da Capcom!”. Mal sabe ele… muitos anos atrás eu, em uma feira de videogames no Brasil, peguei uma fila de uns 30 minutos por umas 5 vezes até conseguir ganhar de um jogador da Capcom para receber um boné de brinde. A feira em questão era o Sukita Adventure Game Festival (só aconteceu uma vez, em São Paulo, em 1994) e o jogo era Darkstalkers. Um dos meus jogos favoritos do NES foi MegaMan e meu jogo preferido de luta sempre foi Street Fighter… eu reamente gosto da Capcom. Por muito mais jogos, inclusive.

Um jogo de guerra toma conta da tela nesse momento, todos sabem que é o novo Call of Duty… o cenário é lindo, parece bem fluído, as cenas apresentadas são sensacionais. WWII é apresentado, a plateia aplaude e grita. Eu fico na minha. Já não jogo CoD desde sei lá quando… os jogos da série viraram algo tipo FIFA e PES na minha opinião: saem todos os anos e não trazem nada de novo. Esse só é bonito.

PS VR aparece em destaque no telão e… SKYRIM? Por que? Pra quê? Skyrim VR e alguns jogos sem a menor importância são apresentados. The Inpatient chama a atenção por parecer demais com Until Dawn (depois descubro que o jogo se passa no manicômio da série, 60 anos antes da história de Until Dawn). E… FINAL FANTASY? Alguém grita “Oh my God!” e na sequência o riso é geral… Monster of the Deep: Final Fantasy é um jogo de pescaria com personagens da série. A sensação é que as pessoas aplaudem mas com vergonha. Ono apenas ri e balança a cabeça. Eu não consigo rir. Mais alguns jogos de PS VR são apresentados e apenas Moss, um jogo com um rato como protagonista, consegue me convencer. Nesse momento sinto um pouco de alívio por ter conseguido vender o meu PSVR rapidamente. Parece que a tecnologia veio antes da hora. Não é convincente ainda.

Um barco aparece na tela… e nele está Kratos. Gritos e aplausos são ouvidos por todo o salão. O jogo parece lindo, mas ao contrário do que foi percebido no primeiro trailer, um ano atrás, a verdade aparece e alguns não gostam. O jogo continua sendo um hack n slash! Eu esperava mais… apesar de lindo, God of War não me convence.

O início do próximo trailer já me deixa arrepiado. Só de ver aquele pequeno círculo azul próximo à tempora do personagem já sei que se trata de Detroit: Become Human. Esse é o meu hype máximo no momento, o próximo jogo da Quantic Dream nos colocará na pele de androids que buscam a humanidade e direitos iguais a todos. Parece, mais uma vez, sensacional. E continua sem data, uma pena.

A maior hype de todas… Detroit promete ser o melhor jogo da Quantic Dream.

Banners aparecem por todo o teatro… são bandeiras das facções. Destiny 2 aparece na tela e percebo que não são só os brasileiros que adoram o jogo através das palmas e gritos dos presentes. O trailer é sensacional e o dia 6 de setembro parece bem perto. Percebo que também estou na hype por esse jogo. E que ele pode ser o substituto perfeito para Overwatch no meu console. Como no primeiro jogo, Destiny 2 tem alguns conteúdos exclusivos para Playstation.

Shawn Layden volta ao palco e só aí percebo que não estou assistindo a uma conferência, mas a uma sequência de trailers sem nenhuma apresentação, sem nenhum desenvolvedor, sem nenhum gameplay, sem nenhuma alma, sem a cara da Sony, vencedora de várias E3 com suas apresentações fantásticas. Shawn Layden fala que mais um jogo exclusivo será apresentado, agradece à plateia e deseja boa noite. Broxante!

Spiderman aparece com um trailer alucinante e ganha novamente a atenção devida, tanto minha quanto do restante das pessoas presentes. A Insomniac Games parece estar fazendo um trabalho fantástico, a cena do helicóptero deixa qualquer filme do Aranha no chinelo e o “easter egg” com Miles Morales no fim do trailer é sensacional. Um trailer com tudo o que foi apresentado é mostrado e é isso… FIM! Me levanto, cumprimento mais uma vez Yoshinori Ono prometendo encontrá-lo novamente em breve. Ele agradece pela companhia. Saímos com a turba. Ainda é dia lá fora.

Ligo para o Pedro e nos encontramos no nosso “spot” na região, um fast food na esquina do Galen Center. Falamos sobre a conferência e eu falo que foi mediana, ele já tem uma visão diferente dizendo que foi bem ruim e que eu ainda estou maravilhado com o fato de ter visto a conferência ao vivo. Dias depois percebo que ele tem razão.

Bom… vamos para casa. Amanhã começa a feira em si. Eu não podia estar mais feliz com esse dia, podia? PC Gaming Show, Ubisoft, Sony… me lembro do tracker… ligo o celular e acesso a internet. Meu Deus! Achei 10 Nintendo Switchs no Walmart ao lado do nosso endereço. Aquele primeiro em que fui. Pegamos o carro e corremos para o Walmart, Pedro quer comprar alguns pares de tênis também. Chegando na área de videogames da loja, vejo um vendedor retirando um console da vitrine, peço que pegue um para mim também. Já estou feliz pelo dia, fico mais ainda pela “Main Quest” sendo completada. Pego um Pro Controller e um micro SD de 64gb pra completar o pacote de hoje, pago feliz!

Ainda dentro do Walmart, quest completa! Switch indo pra casa!

Pedro ainda está escolhendo os pares de tênis. um para cada membro da família. O processo todo de escolha, envio de fotos, aprovação, compra e saída da loja dura cerca de uma hora. Mas nada me afeta… não hoje! Hoje foi o dia perfeito dessa E3! Nada me tira do sério! Chegamos em casa, enquanto Pedro vai tomar banho eu recupero minha conta e meus jogos já comprados anteriormente no meu outro Switch… 1,2 Switch, Bomberman e Snipperclips estão sendo baixados… vou jantar, como um bowl de arroz com legumes e carne da PF Changs, muito bom por sinal.

Tomo um banho demorado, volto para o quarto e Pedro já está escrevendo para o Drops… me deito na cama e ligo o Switch. Jogo uma partida de Bomberman e durmo… amanhã tem mais. Amanhã tem E3 de verdade!

 

 

 

 

 

 

 

Jornalista, pai do Joaquim, marido da Carol, gamer… realizando um sonho aqui no Doze Bits!