Nintendo Review

Mario + Rabbids: Kingdom Battle, um jogo do Mario como você nunca viu! E com aquele toquezinho de insanidade que só os Rabbids sabem dar!

Você, fã de Mario e da Nintendo, já viu Mario jogando tênis, basquete, futebol, andando de kart, em plataformas 2D e 3D, em RPGs, em puzzles… são tantas as franquias pelas quais o bigodudo da Nintendo já passou que certamente você já esperava algo do tipo: um jogo onde Mario e seus amigos encontram suas versões Rabbids em um jogo de estratégia por turnos, não é mesmo? Não, não esperava.

Mario + Rabbids foi uma das grandes surpresas da E3 2017, embora o jogo tenha vazado alguns dias antes do evento, ninguém esperava que Shigero Miyamoto subisse ao palco na conferência da Ubisoft e se juntasse a Yves Guilemot para anunciar o cross over do maior personagem da história dos videogames com os carismaticamente malucos, mas não tão reconhecidos, Rabbids. A ideia parecia infame… e é!

A história começa com os Rabbids descobrindo um capacete de realidade aumentada, chamado SupaMerge, cujo poder é unir duas coisas quaisquer (por exemplo um cachorro e uma bola de futebol virariam uma bola com dentes que late). A bagunça começa quando eles percebem o funcionamento do capacete e começam a unir a si mesmos com as coisas mais improváveis, incluindo personagens da Nintendo. Rapidamente o capacete começa a funcionar mal e os Rabbids são teleportados para o Reino dos Cogumelos.

Os heróis… Um grande e dois improváveis!

O uso indiscriminado do capacete provoca um colapso no Reino dos Cogumelos e os Rabbids acabam separando Mario dos seus amigos obrigando o nosso herói bigodudo a unir forças com dois personagens improváveis: Rabbid Peach e Rabbid Luigi, as versões malucas da Princesa Peach e de seu irmão Luigi. Os três personagens, guiados por um robôzinho/inteligência artificial chamado Beep-O, a jornada começa e você deve trazer a paz de volta ao Reino dos Cogumelos.

O jogo é dividido em quatro mundos (Ancient Garden, Sherbet Desert, Spooky Trails e Lava Pit), cada um com 9 capítulos e 1 capítulo secreto que deve ser aberto através da exploração presente no jogo. Sim, o jogo tem momentos de exploração e de combate. Cada capítulo pode ter até 4 combates distintos. Terminar um capítulo abre fases para jogar em modo cooperativo e os mundos ficam abertos para que sejam revisitados em busca de novos segredos no modo campanha. Alguns poderes especiais vão sendo abertos durante o jogo e novos locais ficam acessíveis através desses poderes em mundos/fases já superados.

Na parte de exploração os jogadores podem andar livremente pelo cenário a procura de segredos, alguns são resolvidos por quebra-cabeças e labirintos envolvendo canos e canhões que podem levá-lo a novos lugares no mapa. Moedas, power-orbs (falaremos delas daqui a pouco) e baús de tesouros podem ser encontrados em diversos lugares do mapa.

O combate segue o sistema de turnos, onde você faz as ações de todos os seus 3 personagens e os adversários fazem o mesmo na sequência. Cada personagem tem direito a 3 ações que podem ser feitas em qualquer ordem. As ações são as seguintes:

  • Movimentar-se em qualquer direção dentro das capacidades do personagem. Alguns tem maior mobilidade que os outros. Nesta ação também estão incluídos os “Dashs” que são ataques durante o movimento e os “Team Jumps” que são movimentos onde você pula sobre a cabeça de um aliado para alcançar novos lugares ou maior distância percorrida durante o seu movimento. É imprescindível que você saiba exatamente como se movimentar para atacar o máximo que puder e para se proteger dos inimigos.
  • Atacar um inimigo a distância (Range Attack) ou com um ataque corpo-a-corpo (Melee Attack). Ambos necessitam de uma arma para cada tipo de ataque. Todos os personagens começam com uma arma primária para ataques a distância e podem, também, carregar uma arma corpo-a-corpo que pode ser comprada com moedas.
  • Usar uma técnica avançada. Todos os personagens tem duas técnicas que devem ser abertas na “skill tree” de cada personagem, uma das técnicas sempre é individual (em benefício próprio) e a outra sempre é coletiva e afeta aliados ou inimigos dentro de um range específico. As técnicas avançadas só podem ser utilizadas novamente após alguns turnos.

A progressão e customização dos personagens se dá através de duas formas: compra de armas com moedas e melhorias na skill tree de cada personagem através das Power Orbs. As moedas podem ser conseguidas terminando os capítulos e os mundos, e também através da exploração das fases. Já os Power Orbs podem ser conseguidos também terminando capítulos e mundos, e através de baús de tesouro espalhados pelas telas. Alguns inimigos, quando atingidos durante o combate, deixam moedas espalhadas pelo chão. Recolha todas.

As Power Orbs são a chave das melhorias de cada personagem. Elas pagam pelos upgrades de habilidades de cada um dos integrantes do seu time e tudo isso depende do seu estilo de jogo e dos personagens que você escolherá para jogar cada uma das fases do jogo. Se você não souber como gastar suas Power Orbs, o jogo oferece uma forma de auto-preenchimento das skills e faz as escolhas por você.

Skill Tree do Mario

A economia do jogo te força a fazer escolhas nas armas. No decorrer do jogo é impossível comprar todas as armas para todos os personagens, então escolha sabiamente como cada um dos seus personagens vai jogar e compre apenas as armas que achar imprescindíveis para o seu personagem.

Durante o combate existem também os chamados “Super Efeitos”, que são efeitos colaterais causados pelas armas e pelas técnicas especiais de cada personagem. Os Super Efeitos se dividem em duas categorias: os que acontecem imediatamente e os que duram por um turno inteiro.

Acontecem imediatamente:

  • Burn (Queimadura): Queima o alvo, forçando movimento.
  • Bounce (Quicada): Força o movimento do alvo.
  • Push (Empurrão): Força o movimento do alvo para fora da área de jogo.

Duram um turno inteiro:

  • Vampire (Vampiro): Drena vida de um alvo.
  • Honey (Mel): Impede o movimento de um alvo.
  • Ink (Tinta): Impede o ataque de um alvo.
  • Stone (Pedra): Impede o ataque e o uso de técnicas especiais.
  • Freeze (Congelamento): Impede o uso de técnicas especiais.

Cada batalha tem um tipo determinado de objetivo, eles podem variar entre 6 tipos diferentes, o que faz com que você deva usar estratégias e personagens diferentes para cada tipo de objetivo, são eles:

  • Derrotar todos os inimigos.
  • Derrotar um número específico de inimigos.
  • Alcançar uma área específica.
  • Alcançar várias áreas específicas.
  • Escoltar e proteger um personagem extra.
  • Derrotar um mini-chefe ou um chefe.
O objetivo dessa missão é salvar o Luigi, que se meteu em mais uma encrenca.

Alguns eventos podem acontecer durante as batalhas e mudar totalmente o rumo de cada uma delas, a seu favor ou contra você. Não entrarei muito em detalhes por causa de alguns possíveis spoilers (somos contra spoilers por aqui). Mas adianto que alguns são bem divertidos e remetem TOTALMENTE aos mundos dos personagens.

E por falar em personagens nós começamos com 3 deles já citados (Mario, Rabbid Peach e Rabbid Luigi) e mais 5 deles são abertos durante a história do jogo, são eles: Luigi, Yoshi, Peach, Rabbid Mario e Rabbid Yoshi. Cada um deles foi desenvolvido em cima de características já conhecidas de jogos de estratégia/RPGs.

  • Mario: é o faz tudo do jogo. Ele se movimenta bem, ataca bem e se defende bem. É o “all-arounder” do jogo.
  • Rabbid Peach: é um excelente suporte. Ataca bem à distância e cura os seus parceiros durante as batalhas.
  • Rabbid Luigi: é o herói defensivo do jogo. Utiliza ataques e defesas elementais. O mago que todo time precisa.
  • Luigi: o rei da mobilidade. Se movimenta mais que qualquer outro personagem, mas tem pouca vida.
  • Princesa Peach: a versão feminina, e forte, do “all-arounder”. Faz de tudo um pouco e deixa pra trás a imagem de frágil dos antigos jogos.
  • Rabbid Mario: o “game changer”. Pode mudar o cenário de qualquer combate, para o bem e para o mal. Dá muito dano com seus ataques corpo-a-corpo.
  • Yoshi: o sniper do time. Especialista em ataques a longa distância. Causa dano sem estar no front de combate.
  • Rabbid Yoshi: o descontrolado do grupo. Seus ataques são imprevisíveis e SEMPRE acaba causando dano aos inimigos e aliados.

Lembrando que TODOS os personagens possuem duas técnicas especiais e que elas se complementam em combos espetaculares que podem aumentar a mobilidade, o dano e a defesa consideravelmente, entender como cada personagem funciona e os possíveis combos é o segredo do sucesso para avançar no jogo.

Mas… e o que eu achei do jogo?

Mario + Rabbids é um jogo sensacional, mas não é para todos os jogadores.

Se você gosta de jogos de estratégia com uma dose de dificuldade boa (curva de aprendizado rápida e difícil domínio), você encontrou o seu jogo do Mario favorito. Agora se você gosta dos jogos de plataforma do Mario, com exploração, pulos, power-ups e linearidade, esqueça esse jogo não foi feito para você. A meu ver a melhor definição do jogo me foi dada durante a E3 por um amigo que conheci lá, o jornalista peruano Manuel Espinoza, que disse a seguinte frase: “Mario meets Xcom” (“Mario encontra/conhece Xcom”). Sim, Xcom é a famosa franquia de jogos de estratégia por turno onde cada personagem tem suas habilidades e você deve procurar o time perfeito para cada missão. E é exatamente essa a maior chave de diversão que Mario + Rabbids nos traz, claro que com muito humor e uma história bem divertida do jeito que os jogos das duas franquias sempre são.

Como o Nintendo Switch ainda carece de títulos, Mario + Rabbids é uma excelente pedida para você que já terminou Zelda Breath of the Wild e que se cansou um pouco de Mario Kart 8 Deluxe.

O modo cooperativo brilha demais e me deu algumas horas de diversão com a minha esposa, que também adorou o jogo.

E, claro, nem tudo é perfeito… o jogo apresenta algumas quedas de frames bizarras em alguns momentos (muitos NPCs na tela ou explosões muito grandes) que logo são corrigidas mas SEMPRE são perceptíveis. E, em minha opinião, o maior defeito se esconde atrás de um “pay wall” que está virando moda nos jogos da Nintendo: algumas armas do jogo são abertas apenas através de Amiibos. É necessário ter amiibos dos quatro personagens Nintendo do jogo: Mario, Luigi, Princesa Peach e Yoshi. Sério… isso é horrível.

Prós:

  • Diversão garantida
  • Excelente modo cooperativo
  • História divertidíssima
  • Mario
  • Rabbids

Contras:

  • Queda de frames em alguns momentos
  • Sem legendas em português como prometido pela própria Ubisoft
  • O jogo não pussui falas, apenas balões e boxes mal diagramados, isso pegou mal.
  • Pay wall através de Amiibos para algumas armas. Isso pegou MUITO MAL!

Mario + Rabbids Kingdom Battle será lançado mundialmente no dia 29 de agosto pela Ubisoft. O preço do jogo nos Estados Unidos é de 60 dólares. Ainda não há informações sobre a distribuição e vendas oficiais no Brasil, mas é esperado que o mesmo seja distribuído por aqui oficialmente através da própria Ubisoft.
O review acima foi feito a convite da Assessoria de Imprensa da Ubisoft no Brasil, que nos enviou uma chave de acesso antecipado do jogo completo.

Jornalista, pai do Joaquim, marido da Carol, gamer… realizando um sonho aqui no Doze Bits!

Surpreendente

Embora não seja um jogo para todos os públicos, Mario + Rabbids surpreende com um conteúdo inovador para ambas as franquias. Já falei que usar Amiibos como pay wall é ridículo? .

10