PC Playstation Review Xbox

De Volta ao Combate com The Division 2

Depois de Assassins’ Creed 2 e Watchdogs 2, sequências da Ubisoft sempre me chamam a atenção, pois a empresa tem se mostrado bastante capaz em entender as deficiências e qualidades em seus jogos e aprimorá-los em suas continuações. Desde seu anúncio, The Division 2 estava em meu radar, visto que seu antecessor foi um dos jogos multiplayers aos quais eu dediquei mais tempo nesta geração.

Peça para 10 jogadores de The Division fazerem uma lista dos principais problemas do jogo e todas incluirão os inimigos “esponja de balas”. Por mais incrível e divertido que o jogo fosse, ver um oponente de camiseta e boné absorver centenas de tiros sem cair derrubava qualquer arremedo de realismo do jogo e o fato só piorava quando você enfrentava os inimigos que simplesmente corriam na direção do seu personagem e o espancavam até a morte.

Dos prédios aos parques, The Division 2 oferece uma boa variedade de cenários.

The Division 2 aprimora todas as características do jogo anterior, melhorando o sistema de loot, deixando os combates mais ágeis e brutais (onde você mata rápido, mas também pode morrer facilmente), aumentando a variedade dos inimigos e suas estratégias e oferecendo mais conteúdo.

Diversão, sem pretensão

Como um grande parque de diversões, a Washington D.C. de The Division 2 não precisa ser entendida para entreter e ocupar o jogador. Uma mensagem no rádio é tudo que basta para levar o jogador do centro de onde o vírus verde começou a se espalhar para a Capital. Em poucos minutos de jogo você está na Casa Branca e de lá para todas as missões e áreas oferecidas no mapa.

Embora sempre tenha flertado com temas políticos (um vírus se espalhando pelas notas de Dólar durante a Black Friday ou a frase “Você tem uma arma? Seu vizinho tem? Alguns sobreviveram” na abertura), The Division 2 faz questão – tanto no jogo quanto através do posicionamento dos seus desenvolvedores – de não se aprofundar em momento algum.

Como resultado, não é difícil perceber que você não tem ou se importa com qualquer motivação narrativa para estar cumprindo as missões. A história por trás do jogo é rasa, fragmentada e não consegue conectar efetivamente um evento no outro. Personagens, ações e consequências, tudo é imediato e seu impacto dura menos que o tempo que você leva para alcançar o próximo ícone de missão.

Mensagens espalhadas pelo mapa e zonas onde eventos podem ser reproduzidos como uma espécie de holograma ajudam a contar um pouco sobre os meses que levaram Washington desde o vírus até o momento atual, mas em um título para se jogar entre amigos, é normal que até mesmo estas pequenas história se percam em meio às conversas mais cotidianas entre os jogadores.

Combate e Recompensa

Entretanto, também é possível esquecer o quanto a história de The Division 2 é pouco marcante quando você está se divertindo tanto. Principalmente quando se joga entre amigos, o jogo nunca para de oferecer algo ao jogador. Navegar pelo mapa de um ponto a outro leva a encontros com patrulhas e campos inimigos, combates que podem ser resolvidos rapidamente. A exploração é recompensada e atalhos através de prédios ou becos sempre levam a novos itens de criação ou equipamentos. Os inimigos são variados e usam estratégias como flanquear ou dar cobertura uns aos outros, aumentando o nível de dificuldade mesmo quando se joga em equipe. As missões oferecem uma boa variedade de cenários (inclusive uma floresta ‘falsa’, em um museu sobre a Guerra do Vietnã) e eventos ocasionais podem surpreender o jogador.

The Division é ótimo sozinho, mas incrível entre amigos.

Como um loot-shooter, o título ainda amarra muito bem seu gameplay, presenteando o jogador constantemente com bons equipamentos. Tudo aquilo que não for usado pode ter outros fins, sendo destruído em troca de partes, vendido por dinheiro ou ainda entregue nos acampamentos em troca de benefícios, como projetos para fabricar novos equipamentos. Um ciclo que se repete constantemente, sempre recompensando o jogador.

Esta evolução de equipamento, atributos, habilidades, é a principal força motivadora por trás de The Division 2. Com características que podem ser evoluídas para personalizar seu personagem e habilidades que podem ser melhoradas (e que agora podem ser trocadas com facilidade durante o jogo, permitindo que você se adapte rapidamente a uma missão solo ou se encaixe em uma equipe), aprimorar seu personagem é a razão essencial que conduz você de uma missão a outra.

O Jogo Depois do Jogo

O endgame é a etapa crucial para qualquer jogo multiplayer, pois determina a relação estendida do jogador com o título após o fim da narrativa principal. Neste quesito, The Division 2 parece ter aprendido não apenas com seus próprios erros passados, mas também com outros jogos do gênero.

Derrubar o oponente final não significa o fim de The Division 2, mas sim o início de uma nova etapa para o jogo. Uma reviravolta na história coloca o jogador em uma trilha que não apenas o levará pelos cenários do jogo em novas missões, contra novos oponentes ainda mais fortes, como também abre três especializações, cada uma com uma nova árvore de evolução.

Problemas com o carregamento de texturas atrapalham o visual do jogo.

São mais dezenas de horas nas quais o jogador terá novos desafios, novas habilidades a descobrir e estará totalmente pronto para as Zonas Escuras, regiões inóspitas onde poderá enfrentar outros jogadores – agora com um sistema que nivela os atributos dos equipamentos, tornando o enfrentamento mais sobre habilidade do que estatísticas.

De Volta à Base

Pequenos tropeços podem tentar atrapalhar a sua luta contra as forças caóticas em Washington D.C., como os problemas de streaming que faz com que texturas não carreguem direito no Playstation 4 Pro, mas em um momento em que Destiny 2 perde forças e Anthem vai para os boxes logo após a largada, The Division 2 ocupa o lugar como um dos melhores MMO loot shooters do momento. Divertido, estratégico e com a sensação constante de recompensa, ele é uma ótima forma de investir seu tempo online, seja jogando solo ou em companhia dos amigos.

Se você curtiu o primeiro jogo da franquia ou sempre quis experimentá-lo, The Division 2 é uma ótima oportunidade e aprimora a série em todos os quesitos.

The Division 2 está disponível para Playstation 4, Xbox One e Windows e foi jogado no Playstation 4 Pro com uma cópia gentilmente cedida pela Ubisoft.

Designer por profissão e gamer de coração, Raphael é apaixonado por jogos que sejam imersivos e permitam que ele se esgueire por trás de seus inimigos, eliminando-os de forma silenciosa e impiedosa.