Análises PC Playstation Review Xbox

Review: Grid (2019)

A Codemasters, empresa que vem se notabilizando no desenvolvimento de ótimos games de corrida, sendo responsável inclusive pelos excelentes jogos oficiais da Fórmula 1, resolveu aproveitar a entressafra de títulos de grande apelo como Forza e Gran Turismo para tentar (re)emplacar um de seus maiores sucessos: Racing Driver: Grid (2008).

11 anos se passaram desde o lançamento deste que é considerado por muitos jogadores um dos melhores jogos de corrida de seu tempo, pois trouxe excelentes gráficos, bom conteúdo e uma jogabilidade incrível para o início da geração de consoles PS3 e 360, mas será que este reboot já se faz necessário?

Customização de Dificuldade

Primeiramente, se você é jogador hardcore de games de corrida com foco em simulação, talvez este jogo não seja para você, a intenção da Codemasters com este reboot foi trazer algo simplificado e de fácil compreensão, sendo algo generalista e que tenta atender o maior número de jogadores possíveis, indo desde os casuais que irão correr pela primeira vez, até os jogadores experientes mais descompromissados, e isso já fica evidente logo que você acessa os menus e completa as primeiras voltas.

Assim como em Forza, você pode moldar a dificuldade do jogo de forma customizada para que ele funcione de acordo com seu nível de experiência, o que quer dizer que você conta com opções como linha de traçado ideal, flashback, controle de tração e estabilidade, ABS, dano, nível de dificuldade da IA e transmissão automática ou manual, ou seja, ajustes básicos que encontramos na grande maioria de jogos de corrida hoje.

Aumenta essa dificuldade aí amigão, senão você vai fazer volta até no Fernando Alonso!

Se você já está acostumado com Forza, vai se decepcionar por não contar com nenhuma vantagem ao seu utilizar de uma dificuldade mais alta ou ao desligar alguma assistência, já que nenhuma delas rende dinheiro ou XP extras. Por outro lado, se você for um jogador experiente em jogos de corrida e não ajustar a dificuldade, o jogo ficará ridiculamente fácil, onde você ultrapassará todos os carros na primeira ou segunda curva.

Tuning

Os ajustes do seu possante são ainda mais simplificados no menu de Tuning que se apresenta sempre antes de cada corrida. Nele você vai poder decidir se quer marchas mais longas ou mais curtas, molas mais rígidas ou mais suaves, ajustar a distribuição de freios dianteiros e traseiros, além dos ajustes da barra anti-rolagem e dos dampers. Todos os ajustes são feitos através de barras de deslize, de forma bem simplória e de fácil entendimento.

Quer mais velocidade final? Rola essa barrinha da Gear Ratio lá pra direita!

Além do tuning de desempenho do carro, em Grid você também conta com diversas customizações de aparência do carro, onde você opta por modelos completos de equipe, altera combinação de cores, presença de patrocínio, numeração, posicionamento de vinil e etc.

Jogabilidade

Grid continua gostoso de jogar assim como sua versão de 2008, e embora a jogabilidade não traga novidades, se você já jogou algum jogo da série, vai se adaptar muito rápido a jogabilidade, pois notamos poucas novidades no comportamento dos carros e na física do jogo.

As corridas na chuva por exemplo, acabam sendo mais fáceis do que as corridas em dias secos, já que seus adversários tiram o pé enquanto você parece encarnar o Senna em Donington e se achar o rei da chuva, ou seja, não se sente grande diferença na condução dos carros nesta condição climática.

Gráficos e Som

Para quem se acostumou a ver os belíssimos gráficos de Forza Horizon rodando em um Xbox One X, pode não se empolgar tanto com os gráficos apresentados por Grid, mas o fato é que eles não deixam a desejar e cumprem bem seu papel, inclusive o jogo conta com corridas noturnas e na chuva bem interessantes visualmente.

Os sons dos bólidos continuam muito interessantes e toda a sonoplastia do jogo entregam a imersão desejada, com exceção dos comentários que são realizados antes das corridas de forma muito repetitiva, a exemplo do que também ocorre com os contatos feitos por rádio pela sua equipe. Outra coisa que pode ser considerada em Grid, é uma trilha sonora melhor, o jogo conta com uma trilha sonora sonolentíssima para os menus e mais nada.

Conteúdo

Grid conta com 66 veículos, 20 classes, 12 cidades, mais de 80 rotas diferentes e 104 eventos, todos distribuídos entre 6 categorias e o Grid World Series, que você libera um pouco antes de completar todos os eventos do jogo. Nestes eventos você correrá nas categorias Touring, Stock, Tuner, GT, Invitational e uma exclusiva do Fernando Alonso, afinal ele e sua equipe de e-sports colaboraram no desenvolvimento do jogo.

Muitos eventos, pouca variedade.

Jogadores experientes de Gran Turismo iriam se arrepiar ao ver o nome de mais um piloto renomado em um desafio de jogo, já que imediatamente se lembrariam dos insanos desafios do Vettel e Senna em Gran Turismo 5 e 6 respectivamente, ambos extremamente difíceis, mas calma, o Fernando Alonso em Grid está mais para um Luca Badoer, infelizmente.

Com 400 pilotos de IA diferentes se revezando entre as competições, todos com características e comportamentos próprios, Grid tenta inovar e nos apresentar algo novo, mas peca na imprevisibilidade desta mistura de pilotos, o que faz com que nem sempre o próprio Fernando Alonso apareça nos desafios que levam seu nome.

Além de não aparecer em todas as corridas do desafio citado anteriormente, a IA de Fernando Alonso não se parece em nada com o bicampeão na pista, inclusive quando o coitado aparece, tá lá no meio do pelotão, brigando como qualquer Grosjean da vida, ótima oportunidade desperdiçada em mais um evento comum como todos os outros.

Grid não conta com uma diversidade muito grande de conteúdo, já que todos os 104 eventos são corridas contra outros 15 adversários (ou 3 em eventos especiais), tomadas de tempo ou raras corridas ponto-a-ponto, o que faz com que o jogo se torne repetitivo rapidamente.

Coloque por dentro, retarde a freada, feche todo mundo e ganhe um rival!

Ao final de cada campeonato, você realiza um showdown de encerramento contra 3 competidores, mas calma, este evento não tem absolutamente nada de diferente e nem espere algo como os showdows que encontramos em Forza Horizon por exemplo, inclusive não espere nem mesmo algo mais difícil, afinal ultrapassar 3 carros é muito mais fácil do que ultrapassar 15, já que estes 3 competidores correm no mesmo ritmo das demais corridas.

Das 400 IA’s disponíveis em Grid, pouco mais de 50 pilotos estão a disposição para você contratar como companheiro de equipe. Todos eles vão sendo liberados conforme você progride no jogo e o desempenho deles afeta a pontuação da sua equipe e a porcentagem de grana que eles levam, ou seja, você tem a opção de contratar um piloto arrojado que custe $100.000 no ato da contratação + 50% de todos os seus ganhos por corrida, ou simplesmente pagar $9000 na contratação + 10% dos ganhos por corrida para um piloto teoricamente mais cuidadoso e de baixo desempenho.

Assim como nas demais questões do jogo que envolvem a IA, a ideia é ótima, mas mal executada. Assim como a IA do Fernando Alonso se comporta de forma trivial em seus próprios desafios, não importa se seu parceiro for a IA mais cara ou a mais barata do jogo, ambas se comportarão de forma semelhante e ficarão sempre alternando posições nos pelotões de frente ou de trás, tudo isso sem critério algum e sem demonstrar ser mais agressivo ou mais defensivo como o jogo assim intenciona e descreve em cada IA.

Todos os pilotos contam inclusive com especialidade em alguma categoria específica, mas mesmo assim, não foram poucas as vezes que vi meu companheiro chegando nas últimas posições de uma categoria de sua especialidade e chegando no pelotão da frente em outra totalmente diferente. De qualquer forma, não se preocupe, se você chegar sempre em primeiro, o desempenho de seu parceiro simplesmente não importará e não terá qualquer impacto no seu resultado.

Ainda falando em IA, se durante uma corrida você der um “chega pra lá” um pouco mais forte em um adversário, ele ganhará o status de nemesis, sendo marcado em vermelho na sua tela e ficando imediatamente mais agressivo, ou seja, ele jogará o carro dele contra o seu se houver oportunidade e pode até ganhar algumas posições para seguir no seu encalço.

Multiplayer Online

Assim como o Grid de 2008, que tinha um multiplayer online incrível e muito divertido, Grid 2019 também tem um modo online gostoso de jogar e simples, contando com somente duas opções: Quick Match e Private Match.

Na data em que testei o multiplayer, o jogo estava apresentando algumas instabilidades na conclusão das partidas, o que alterava por completo as posições no encerramento de um determinado campeonato, mas com certeza isso é algo que será facilmente corrigido pela Codemasters.

Conclusão

Grid 2019 é pra você, amante do automobilismo, que está com abstinência de ouvir pneus fritando porque já jogou tudo o que havia disponível, aguarda por novos lançamentos e não liga para jogos repetitivos.

Este jogo também é pra você que está começando e que quer jogar algo descompromissado e sem uma grande dificuldade.

Agora, se você gosta de jogos de corrida, é fã de “simcade” e ainda não jogou Project Cars 2, Formula 1 2019 ou Forza 7 por exemplo, dê preferência a estes jogos, já que Grid 2019 não apresenta muita variedade de conteúdo, possui baixo desafio, é repetitivo e se escora na manutenção da ótima jogabilidade e da simplicidade.

Administrador, professor, editor e jogador de videogame desde o Atari.